Hey, aperte o botão do elevador.

É pra ler como se ainda estivesse no dia 31 de Agosto.

Preciso contar sobre meu dia de ontem, mas vou começar pelo fim.
Fui dormir tarde, de novo, como tem sido de costume nos últimos dias por causa das férias que passaram. Assisti Um Dia, que já fazia meses que estava por ver, e me apaixonei. Eu nunca assisti um filme que eu tivesse me reconhecido tanto na personagem. Me identifiquei com Emma Morley. Ela vai morar em Londres e depois Paris, que são minhas cidades maravilhosas. Ela é sonhadora, engraçada e inconformada, mas a vida parece não se importar com isso. Assim como Em, eu também trabalho num cemitério de ambições, sonhando em um dia ser escritora. Como o quarto dela, a minha vida as vezes tem cheiro de cebola e decepção. E eu não vou ter o mesmo fim que ela, mas realizarei meus sonhos como ela também o fez. Claro que nossa vida amorosa é completamente oposta e não temos os mesmos hábitos. A não ser o gosto por fazer cruzadinhas. Mas temos a vontade de fazer do mundo um lugar melhor. O que nos prende é saber que precisamos pagar as contas no fim do mês.
No intervalo do meio-dia eu não fui pra casa como de costume, resolvi ficar pelo centro e almoçar com uma amiga que eu amo de paixão, depois de conversar, rir e comer X-burguer e batatas fritas acompanhados de uma Coca bem gelada, fomos até o Sebo Dom Quixote pra espiarmos os livros, o dono é um senhor de quase 50 anos que cursa Direito e ama ler. Entramos numa conversa pseudo-intelectual sobre teologia, mundo e sobre o filme O Mercador de Veneza, que diz ele já ter assistido três vezes. E não tiro sua razão, o filme é muito bom mesmo. Principalmente pra quem quer ser advogado. Ele nos convidou para voltarmos lá em breve, acho que gostou da nossa companhia.
De manhã, teve reunião no escritório, onde expressei minha real opinião sobre o trabalho, sobre minha insatisfação, desmotivação e desejo de ir trabalhar em outro lugar. Também falei aos meus chefes sobre meu descontentamento quanto algumas atitudes deles, tanto em relação a mim como na administração do escritório. Foi tenso, porque eu não me expresso nas reuniões com grande frequência, mas quando falo, sou firme e transparente, e não sou de indiretas. Sei que os peguei de surpresa e muita coisa que falei os incomodou, mas sabe, não me arrependo, e não fui demitida. (nem me importo se for).
Segundo dia de trabalho após minhas férias terem acabado. Acordei com muitas convicções vazando por não terem mais espaço pra ficarem guardadas dentro de mim. Confesso que me sinto leve agora, despejei verdades que não conseguia mais ocultar como se fossem falsas histórias.
Acabei o dia mais Emma do que imaginei.

(Título, Banda Catedral)


Comentários

Mi ma disse…
Eu suspeito que esses dias inconformados, onde somos forçados a abandonar um pouco nossa zona de conforto são os melhores.
Como diria o bonito do Pessoa:
Absurdemos a vida de leste a oeste!

Postagens mais visitadas deste blog

Para inspirar: Home Office

É sorrindo que se fala com os olhos

Talvez seja sim!