Vive la France!


Já assistiu Midnight in Paris?


Gil Pender é uma paixão de roteirista. Sua tranquilidade. Seus passeios noturnos. O badalo da meia-noite que o leva até a sua Paris 1920. Seu encanto por caminhar na chuva. E seu amor por Adriana.
Terça choveu forte aqui no sul e eu caminhei na chuva, só que de guarda-chuva e não como ele, de mãos nos bolsos, deixando a chuva enxarcar, livre. É que eu ainda não me desprendi completamente dos meus medos. Eu ainda não vivi um grande sonho como ele e não conheci os Fitzgerald, nem Picasso ou Salvador Dalí.
É inevitável lembrar de Gil quando chove.
Nada que seja indiferente combina com ele, porque ele é feito de sensações.
Ele sente de maneira sensível a vida por meio da arte.
Gil é noivo de Inez, mas eles são completamente incompatíveis.
Então ele conhece Adriana, só que ela, a mulher que ele acha ideal, é utopia. Ela pertence aos anos 20 do seu sonho parisiense. E ele não pode ficar com ela pra sempre.
Mas também existe Gabrielle, a garota do sebo de livros que é real e livre, e gosta de caminhar na chuva como ele. Ama livros e tem um sorriso tímido e doce.
Woody Allen, me prendeu nesse romance. É tão cheio de bunitezas!
E um dia, quando eu aprender a ser desapegada, vou sair por aí desprendida, num dia de chuva forte.

Comentários

Mi ma disse…
Agora eu verei. Com certeza.!!

Postagens mais visitadas deste blog

Para inspirar: Home Office

É sorrindo que se fala com os olhos