De 2011 pra 2012

Deixo esse ano, com todos os seus acontecimentos, guardado. 
Eu não queria que ele se fosse, e também não queria que ele continuasse. Foi um ano difícil, confesso. Chorei, por muitas vezes, por frustração, por quase desistir de muitas coisas. Mas fazendo uma retrospectiva pessoal, percebi o quanto me tornei resistente, o quanto as lágrimas me limparam, o quanto a graça de Deus me alcançou. Apesar de ter sido árduo, não consigo expressar o quanto fui feliz. Eu superei as aversões, as destemperanças, a minha insistente vontade de não continuar. Eu me superei! Esse ano foi mais de crescimento, do que de mudanças. Bem mais de provações do que folga. E me perguntei se 2012 começando num domingo, talvez quisesse dizer que seria um ano de descanso, mas acho que é só coincidência mesmo. Durante esse ano, precisei de alguns chacoalhões pra recobrar os sentidos. Mas, por vezes, fui forte o bastante pra servir de apoio aos amigos, pra manter-me estruturada quando precisava passar segurança a quem quase não tinha. Nunca aprendi tanto em um ano só, nunca chorei tanto, nunca perseverei tanto, nunca ri tanto.


Uma palavra pra definir o que sinto por esse ano: Gratidão


Me sinto, profundamente, agradecida à Deus. À minha família, namorado (querido) e amigos, sempre tão companheiros. E por mais estranho que possa parecer, desejo que esse novo ano também seja difícil. Que seja ainda mais estreita a caminhada, que as chuvas sejam ainda mais fortes e o sol ainda mais escaldante. Porque eu não quero me deixar acomodar, não quero ser medíocre, medrosa. Quero me tornar ainda mais resistente, ainda mais audaz, esperançosa, preparada. E quando o próximo ano chegar, poderei dizer: Eu venci! E mais uma vez com o coração pulsante de felicidade e o peito transbordando de gratidão. 
Na virada, eu pensei "Que ano, hein?!" e depois de relembrá-lo bem, com um largo sorriso, pensei "Que ano!!!"




Que Deus abençoe o 2012 de todos vocês.
Que seja da forma que cada um deseja, espera, anseia.
Que seja muito, muito feliz.
Com carinho e abraços...

Comentários

O poema também é uma catarse
e a poesia puxa do intimo
faz a gente falar até das
lágrimas
acho muito importante o poema
sobre si mesmo
a pena riscando a palavra na nossa
pela e refletindo na nossa alma
é um caminho de auto-conhecimento
apesar de todo desfalecimento
a poeta vence por que tem o poema
mesmo morrendo na luta
seus poemas continuarão resistindo.

muito bom.

Luiz Alfredo.

Postagens mais visitadas deste blog

Para inspirar: Home Office

É sorrindo que se fala com os olhos