nós ainda somos eternos


 
A gente ria o tempo todo, e se implicava o tempo todo também, porque a nossa juventude era eterna. Estando a turma toda, ou apenas dois ou três, não importa, a gente ria à toa. Tínhamos outras vidas, outros amigos, alguns com namorados e namoradas, mas quando estávamos juntos, parecia até mesmo que o mundo girava ao nosso redor. Nos esquecíamos do mundo externo, mas dos problemas, não. A gente se ajudava a superar, mesmo que fora do alcance da nossa consciência ingênua; risadas eram a nossa injeção antiinflamatória. Tudo bem, tudo bem. Tudo passa! — era o lema. Mas nós não passaríamos; nem nós, nem a nossa doce adolescência de risos despropositais e intensos. Desacreditávamos do fim do mundo, tirávamos sarro dos nossos próprios medos (e, às vezes, das nossas virtudes também). Tudo parecia ser efêmero. Mas nós, não. Nós éramos eternos.

                                                                                                                                       Bianca Landi

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Para inspirar: Home Office

Talvez seja sim!

É sorrindo que se fala com os olhos